Menu

Orientação a Pais

Objetivos: Auxiliar os pais em relação à problemática familiar vivenciada, uma vez que todo desenvolvimento relacional  é comandado pelos pais; assim, a orientação sobre questões do desenvolvimento, da dinâmica e do respectivo posicionamento hierárquico dentro do grupo familiar, é imprescindível para a reorganização da família como um todo.

 A família é um sistema - possui uma ordenação dinâmica de peças e processos que subsistem dentro de uma interação mútua; funcionando como uma unidade, podemos perceber os movimentos de interinfluência dela. Desta maneira, o desvio do desenvolvimento que pode ocorrer em um componente, como também em mais de um, passa a "circular" entre os membros da família, como um todo. Mesmo que esse desvio tenha sido diagnosticado há pouco tempo, ainda assim, não se pode deixar despercebido que a organização da personalidade se inicia no nascimento e vai se desenvolvendo e se estruturando ao longo dos anos. 

O fenômeno psicológico – a personalidade "organizada" dentro do grupo natural cristaliza as relações, na medida em que interage com os membros da família; a criança, através das diversas fases de seu desenvolvimento, forma suas relações específicas com a mãe, depois há a relação com ambos – pai e mãe e, mais tarde, com os irmãos e, dependendo da forma como os pais lidam com o "crescimento" da criança, podem observar nela dificuldades, as quais não conseguem administrar satisfatoriamente.

Neste processo, o apoio à família facilita a adaptação à realidade. O contato dos familiares com a criança é constante, influenciando significativamente o seu desenvolvimento.

O auxilio ao grupo familiar, através de orientações sobre o modo mais adequado para se trabalhar as dificuldades inerentes ao processo de adaptação, contribui para o tratamento da criança e para a melhora do sistema familiar, o qual também sofre com o rompimento de seu processo natural, criando uma desadaptação do grupo familiar.

Tendo em vista esta perspectiva do funcionamento familiar, propomo-nos a oferecer aos pais uma abordagem teórico/prática, através da qual possam compreender o comportamento do filho, estimulando-o ao desenvolvimento de um diálogo representativo com a família.

Instrumentos: Entrevista com os pais e⁄ou grupo familiar, e orientação.

Indicações: Esclarecimento aos pais quanto:

- À dificuldade específica ou global do desenvolvimento do filho (diagnóstico, prognóstico e tratamento);

- Ao acompanhamento de mães e pais nas diversas fases do desenvolvimento do bebê e da criança, como: transição de uma fase para outra, amamentação, desmame, diferenciação do dia e da noite, estimulação do bebê para a aquisição de novas posturas (rolar, sentar, engatinhar, andar);

- A aquisição do controle esfincteriano, a utilização dos brinquedos e das brincadeiras como estímulo ao crescimento;
- À orientação em relação a alterações do comportamento da criança e do adolescente;

- À instrução da criança pequena: educação sexual, o primeiro dia de aula ...;

- Ao posicionamento dos pais em relação a: ciúme, nascimento do irmão, birra ...;

- À dificuldade do dormir, dificuldades escolares ...;

- À falta de limites, timidez e agressividade tal qual o morder;

- À situação de pais separados, o casamento e a paternidade, a explicação da morte, o filho adotivo;

- Ao universo da criança e do adolescente: a utilização de brinquedos e videogames, etc.